Por que é tão importante cuidar da nossa saúde mental?

    Sabe os exames de rotina e as idas ao especialista anualmente? Você já pensou em incluir a terapia nessa lista? A saúde mental é tão importante quanto as demais áreas médicas que tratam de questões clínicas. Essa é a avaliação da psicóloga Carime Lima.

    Segundo ela, a saúde mental do ser humano está diretamente ligada à busca por qualidade de vida também. “Se eu não tenho essa saúde mental de uma forma estável, provavelmente, isso vai me afetar em várias áreas da minha vida, seja na minha família, na área amorosa, no trabalho, com os meus amigos. Tudo pode ser afetado”, completa.

    Apesar de toda as recomendações para que se tenha cada vez mais a busca pela prevenção, ela conta que a ida ao psicólogo, na maioria das vezes, é sempre quando a situação já chegou a um ponto extremo. “Geralmente os pacientes que procuram a Psicologia já vem indicado da Psiquiatria, da Neurologia, ou mesmo do médico geriatra, cardiologista, que já está com outro problema que por vezes tem um fundo psicológico”, explica.

    No entanto, Carime alerta que além das questões orgânicas, o ser humano precisa ficar atento às questões do dia a dia, que muitas vezes podem trazer alteração no bem-estar. “E isso pode mudar e muito a nossa qualidade de vida. Então fazer exercício com rotina, fazer uma boa alimentação, e terapia podem ajudar”, completa.

    Ela também explica as vantagens das consultas com um psicólogo. “A terapia é autoconhecimento. Para que gente entenda os nossos limites, entenda o que somos capazes de fazer, o que ainda podemos e conseguimos fazer e não sabemos, e se faz terapia compreender tudo isso. Para entender quem sou eu nessa vida, o que eu consigo, posso e até o que não descobri ainda”, resume.

    Se não consegue ir ao psicólogo com uma certa rotina, a profissional ressalta que é preciso também ficar atento aos sinais que podem indicar se uma pessoa está precisando cuidar da mente. Ela explica que são vários os sinais, e que eles variam bastante de um indivíduo para o outro. Portanto, o conselho da psicóloga é: cuidado com os exageros.

    Por exemplo, eu posso estar estressada, mas isso não está me afetando durante o dia, durante minha rotina. Talvez não precise, e apenas seja necessário adequar algumas coisas para que não fique tanto. Mas se isso já afeta, ou seja, todos os dias briga com os filhos; o marido já está reclamando ou de repente no trabalho isso já está sendo prejudicial, talvez, então sejam alguns sinais de que já tem que procurar um psicólogo”, orienta.

    Outro excesso que Carime observa é de alguém que se isola. “Ressaltando que uma pessoa que não costuma sair de casa, porque pode ser uma pessoa mais tímida e não gosta apenas, não é um problema. Mas se a pessoa se isola por completo, isso já é um exagero. Então provavelmente já deve ser um sinal também”, afirma.

    Deixe um comentário